A nova tecnologia permite aos veículos híbridos plug-in passar automaticamente para o modo elétrico assim que entram nas zonas de baixas emissões das cidades.Está a chegar a uma zona de emissões reduzidas ou “zero” e, de súbito, o seu carro passa a ser completamente eléctrico. Dir-se-ia coisa de filme de ficção científica. Ou, pelo menos, a tal se assemelhava até há poucos anos. A rapidez das mudanças trazidas pela revolução em curso na mobilidade eléctrica, com as metas comunitárias para o corte drástico nas emissões poluentes a ditarem o ritmo, tem presenteado o mercado automóvel com um rol apreciável de inovações tecnológicas neste campo por parte das marcas. Ainda assim, e mesmo com a rápida habituação dos consumidores à mudança de paradigma, não deixa de impressionar a entrada em funcionamento no nosso país do sistema eDrive Zones da BMW, já a funcionar em Lisboa, Porto e Braga para os seus modelos híbridos plug-in. Outras cidades portuguesas se sigarão.Disponível, por agora, nos modelos BMW 330e, BMW 745e, BMW X5 xDrive45e e BMW 530e, o sistema é, no mercado nacional, o resultado do trabalho desenvolvido, desde 2019, pela Critical TechWorks, empresa nascida da parceria entre a marca alemã e a portuguesa Critical Software. Sempre em coordenação com Munique, os engenheiros que cá trabalham prepararam as condições para o surgimento deste sistema inteligente, também já operacional noutros países europeus, que possibilita aos modelos híbridos plug-in mais recentes da BMW passarem automaticamente para o modo elétrico quando entram numa zona de zero ou baixas emissões de um centro urbano. O objectivo é aquele a que todos apontam: reduzir ou eliminar as emissões poluentes e assim melhorar a qualidade de vida nessas cidades.O sistema assenta na conectividade com o dispositivo de GPS dos automóveis híbridos plug-in da BMW, que, ao detectar a entrada numa zona de uma cidade previamente definida pelas autoridades municipais como sendo de emissões poluentes reduzidas ou inexistentes, a comunica à aplicação eDrive Zone do carro – que tem de ser previamente instalada pelo condutor. E a mudança na forma como o veículo se move acontece com a maior naturalidade, sem qualquer sobressalto ou necessidade de tomada de decisão pelo condutor. A gestão das emissões poluentes é assegurada pelo software, garantindo este ainda uma gestão o mais eficiente possível dos consumos energéticos da viatura. Quando se abandona a área de baixas emissões, o sistema repõe os parâmetros anteriores. Tão simples como isto.”Esta tecnologia vem complementar as medidas já implementadas pelo BMW Group na área da sustentabilidade, de que são exemplo a redução significativa, até 2030, das emissões de carbono por veículo produzido, e a meta prevista, também para 2030, de 50% das vendas totais do grupo corresponderem a veículos eletrificados”, explica Massimo Senatore, diretor-geral da BMW Portugal. O responsável garante que, até ao final do ano, chegarão ainda ao nosso país “novas ferramentas do grupo com vista à promoção da transição para mobilidade elétrica”. Para Jaime Vaz, da equipa de desenvolvimento da Critical TechWorks, “o BMW eDrive Zones estabelece um novo padrão na indústria pela sua singularidade”. “Esta é a prova de que a tecnologia pode contribuir muito para um futuro mais sustentável”, conclui.Para ver como funciona o novo sistema eDriveZones:Veja tudo sobre mobilidade e o Portugal Mobi Summit em https://portugalms.com/


Source link

  1. [url=https://drwithoutdoctorprescription.online/#]discount prescription drugs[/url] dog antibiotics without vet prescription

  2. Some patients experienced a sudden partial or complete loss of vision after taking Cialis or other PDE5 inhibitors generic cialis cost If you are having an issue with erectile dysfunction, you have the option to receive a Viagra Cialis prescription online

  3. Historically, it has been treated with cognitive therapy, behavioral methods, and off-label use of selective serotonin reuptake inhibitors usually used to treat depression and other psychological disorders tadalafil generic vs cialis Nearly 150 years after the emancipation of Southern slaves and just 50 years after the beginning of the Civil Rights era, race still captures our attention in the summer of 2007, the case of the so-called Jena Six in an old battleground-Selma, Alabama-was played out in the blogosphere, newspaper headlines, and nightly news

  4. Brett’s timing was impeccable. A month after she launched her group, pandemic lockdowns swept across the country and people started picking up home-based hobbies to stave off stress and boredom, and looking for community online. Many women decided to plant pandemic gardens with cannabis, and Brett watched her membership shoot up by the hundreds to more than 3,500 today. We’re all about Loyalty. With Plant Perks, our members get access to our lowest prices, both in-store and online. Plant Perks members can also enter contests and giveaways, and are first to know about our next promotions. The species Cannabis ruderalis evolved in regions with far less sunlight. This native of the northern climates flowers once the plant reaches a certain age automatically, and is therefore auto-flowering. Cannabis breeders crossed certain ruderalis varieties with other strains of cannabis to develop auto-flowering seeds. https://daltonlapd108653.daneblogger.com/14427970/medical-marijuana-cost The available evidence points to indigestible chitin, immune response to pathogens or toxins, psilocybin, psilocin, or a combination thereof as possible causes of nausea from ingesting magic mushrooms. In addition, it’s conceivable that experiencing nausea may be due to a person’s level of hydration, physical condition, individual variations in metabolism, dosage, or other factors. Also, consider that the entourage effect may be at play here. Certain combinations of magic mushroom molecules may cause nausea, although individually they do not. Many of the questions about nausea from ingesting magic mushrooms could be answered by research into the individual compounds they contain. The effects of magic mushrooms range from distorting a user’s perception of time to uninhibiting how the brain processes emotions. Since psilocybin mushrooms are a fungus, users may also have nausea when the substance kicks in. Ayize Jama-Everett, author, entheogen activist, and co-founder of sacred plant medicine conference A Table of Our Own, explained the spectrum.